Uma apaixonada por encadernação e Restauro


Category Archive

The following is a list of all entries from the Biblioteca category.

Clovis Bevilaqua – Theoria Geral do Direito Civil

Um clássico do mundo jurídico:

Esse livro me foi apresentado como “o destruído”.
A capa, de couro, estava se desfazendo, e o papel estava desgastado.

20140503-154205.jpg

Mas o livro em si estava em excelente estado. As únicas marcas eram as do tempo, que escureceu levemente o papel.

20140503-154504.jpg

Pois bem. Soltei a capa antiga, higienizei, e usei o processo da caixa para umidificar o papel. Como apenas as bordas estavam ressecando, foi rápido.

20140503-154958.jpg

E refiz a capa em couro e papel marmorizado.

20140503-155150.jpg

Pronto!

20140503-155318.jpg

Anúncios

Biblioteca na Praia

Ahn, o verão….
Sol, calor, praia, férias, descanso, preguiça…

E areia, umidade, maresia.

Papeis, vocês sabem, não aguentam desaforo.

Se o livro novo que vai para a beira da piscina ou para a esteira de praia volta empenado (por menos que seja, aquela estragadinha que ignoramos porque o prazer da leitura é maior), imaginem como não fica um livro guardado por meses, ou anos, nesse tipo de ambiente?

Pois bem… Estava eu, indo para o guarda sol a praia em mais uma tentativa desesperada de melhorar a aparência de quem vive trancada no escritório curtir um sol, preguiça e meu livro, quando olho para cima:

20140227-235729.jpg
Acredito que apenas um aficcionado por livros (eu!) seria capaz de, tendo diante de si o litoral brasileiro, perceber que, no andar de cima, havia uma biblioteca.

Pois é…

Eu vi….

Esqueci que estava em Ilhabela e fui atrás dos livros…

20140228-000014.jpg
Foi mais forte que eu…

20140228-000417.jpg
Sabem o que eu amei? O fato de terem guardado os livros em um ambiente controlado (na medida do possível): pelo que vi, TODOS os livros foram lidos, manuseados, e então guardados. Nenhum estava gravemente estragado.

É verdade, o local é amplamente iluminado, mas sem sol direto nem umidade aparente.

20140228-000834.jpg
A porta de vidro, se soubermos usar, ajuda na preservação dos livros. Desde que mantidos secos, (mas não tive acesso aos livros, então não sei como ocorre troca de ar nem controle se variação de umidade e temperatura), os volumes estão protegidos de incidência direta de maresia.

20140228-001036.jpg
quando eu puder comprar uma câmera que comporte polarizador na lente, as primeiras fotos serão para o blog, prometo!

Sabem, eu fiquei eufórica com o cuidado.

Centenas de livros ali, ao alcance do dono e de quem os proprietários quiserem compartilhar, limpos, secos, acondicionados dentro de um tipo de armário que qualquer pessoa, em se programando, pode ter.

Ahn! Se me acham maluca por esquecer a praia por conta de livros, a vista da janela da biblioteca é essa, ó:

20140228-001725.jpg

Anna e Ana: meu abraço e muito obrigada!


As Pupillas do Senhor Reitor – preservação

Hoje eu vou mostrar detalhes de um restauro feito antes de 1951:

20140123-202418.jpg
Este livro deve ter sido restaurado em algum momento entre 1940 e 1950.
Considerando o estado de conservação que se encontrava, apresentei as opções: preservar ou restaurar.
Fazei sobre a opção de refazer o livro, correndo o risco de danificar alguma parte do original, já que não sei qual material foi usado, e apresentei a opção de leves reparos, com foco na preservação. Foi escolhido preservar, para não precisar restaurar.

20140124-172623.jpg
meu olhar crítico não gostou de ver que, para fazer a capa, foi utilizada página de outro livro.

O Mundo em 1940-50 não tinha a variedade de materiais que encontramos hoje. E ainda que a técnica identificada neste volume não seja diferente da que se vê hoje em dia, o material que utilizamos mudou. O cuidado com a matéria prima continua o mesmo, porém é possível isolar e melhorar o preparo do papel japonês e da cola, por exemplo.

Infelizmente o tempo e (não tenho certeza) o material utilizados não foram muito generosos com o livro, que 70 ou 80 anos depois chegou às minhas mãos:

20140124-173924.jpg
conseguem ver o enxerto de papel?

20140124-174234.jpg
Há um ex libiris identificando o profissional, mas estou há semanas buscando referências, para identificar o método e materiais utilizados, e não encontro nada que eu possa associar,com toda a certeza, ao profissional do ex libiris.

As páginas do livro estavam ressecadas e sujas, e como o papel utilizado para refazer as brochuras tinha uma característica e gramatura distintas do original, o papel foi se “quebrando”.

20140124-174915.jpg
Para interromper, e quiçá reverter o processo, submeti o miolo do livro a um leve processo de umectação, que deu certo e agora, o livro pode ser manuseado sem que as páginas se quebrem.

20140124-175550.jpg

20140124-175828.jpg
Usando cola reversível e papel alcalino, fiz uma sanfoninha (triângulo de papel, que ao ser colado na capa, permite que está não se quebre) e colei a parte solta da capa, mas somente após as páginas do miolo estarem novamente maleáveis e desempenadas.

20140124-180559.jpg


Bocas do Tempo

Recentemente comprei este volume, que tinha umas “rebarbas”.

20140117-001554.jpg
Simples e rápido:
Identifiquei as páginas, desamassei o papel e usei o bisturi para cortar o excesso de papel.

20140117-001838.jpg

Pronto!


Curiosidades

Apaixonada por livros que sou, aproveito as vindas à cidade de meus pais para curtir a pequena biblioteca que era de meu avô.
Enquanto separo algo novo para ler, aproveito para cuidar da manutenção dos volumes.

Foi assim que me deparei com dois livros identificados com letra de criança, e o nome de meu tio.

O primeiro, um livro escolar de gramática, cuidadosamente encapado, etiquetado, em perfeito estado de conservação.
O segundo, o volume 1 de uma coletânea chamada Curiosidades com pequenos parágrafos relacionando história do Brasil, história do mundo, geografia e geopolítica, corrida espacial, biologia e coisas aleatórias.

Se hoje temos a Wikipédia, quando eu era criança tínhamos (cof, cof, ainda temos) o Almanaque Abril, e antes, o Almanaque Tico-Tico.
Meu tio teve o Curiosidades, impresso na década de 1950.

De tanto uso, vejam como ele ficou:

20131225-005928.jpg
Como esse tio tem netos pequenos, um deles em fase de alfabetização, decidi que meu presente de Natal para ele seria o livro restaurado e reforçado, para poder ser manuseado por uma criança pequena.

Mãos à obra:

20131225-010143.jpg
Quebra-cabeças

20131225-010235.jpg

Dar este presente foi uma das coisas mais gostosas deste Natal!

Voilà! Capa maleável, com um reforço devidamente testado: abre, fecha, segura de lado, do outro, por uma capa, além de ter passado de mão em mão após a troca de presentes:

20131225-013753.jpg
Os livros, a letra do meu tio, a época em que foram editados (década de 1950) trouxe junto causos divertidíssimos da família à tona.

20131225-015225.jpg

As conversa animada que o livro trouxe foi uma das coisas mais gostosas deste Natal!!

20131225-015608.jpg


Kit de Biblioteca Pessoal

Eu estava passeando pelo Livros só mudam pessoas e me deparei com uma lista de 24 presentes insanamente inteligentes para amantes de livros.

É óbvio que quero TODOS, mas achei super divertido o kit de biblioteca pessoal, que permite um controle tradicional de empréstimo e devolução de livros:

20131220-004238.jpg

20131220-004340.jpg

Adorei!
Vou criar uma versão minha!!!


“Emprestei, e nunca mais vi”

Durante todos os anos de restauração e encadernação de livros, há uma frase que sempre ouço:
“Eu tinha tal livro, mas perdi. Ou melhor, emprestei, e nunca mais vi”

Não é seu? Devolva! Simples assim.

Meu irmão empresta seus livros, mas cobra a devolução.

Meu pai se interessou pelo que me viu ler nas ultimas semanas. Como não era meu, expliquei que iria perguntar a quem me emprestou se tudo bem. Meu pai não apenas recusou minha proposta de ler livro que me fora emprestado, como, no final da semana seguinte, estava com uma edição de bolso da mesma obra (oba!!!)

Eu e os colegas de uma das empresas aonde trabalhei emprestávamos livros uns para os outros. Como a escolha de gênero era parecida, os cafés muitas vezes começavam com comentários sobre as leituras compartilhadas.

Tenho amigos que moram longe (viva a internet!!!), e rola uma ida e volta de livros que é deliciosa!

Perdeu o contato?
Deixe na caixa de correios da pessoa.

Esqueceu e lembrou anos depois?
Diga “olha, estava comigo!” e devolva.

Saiu da escola e levou sem querer livro da biblioteca?
Entregue na portaria.

E, não menos importante:
Perdeu, tomou chuva, cachorro comeu? Tudo bem, explique o que aconteceu e ofereça um novo exemplar junto com o antigo (estamos falando de edições sem valor emocional, certo?)

Você não precisa se explicar, nem precisa arranjar uma desculpa para devolver.


Economia de Guerra

Tive a oportunidade de ajudar a higienizar uma pequena biblioteca.*
Os livros estão todos em ótimo estado de conservação. Um ou outro, apenas, está com marcas de manuseio e uso, mas no geral, foi um prazer!

20131204-150234.jpg
São livros impressos durante a 2ª Guerra Mundial, cujas brochuras variam de tamanho, podendo ser entre o A5 e o que cabe no bolso traseiro de uma calça jeans tradicional!

20131204-150510.jpg
Acima, a águia dos correios dos Estados Unidos: “Livros são armas na guerra das idéias” **

20131204-150922.jpg
Abaixo, na ultima página do terceiro volume de outra coletânea:

20131204-151056.jpg
Este foi impresso em Lisboa logo após o término da 2ª Guerra.

20131204-151542.jpg
Propaganda de guerra: “envie este volume a um rapaz nas forças armadas em qualquer lugar nos EUA por apenas 4 centavos de Dólar”**

20131204-151951.jpg
E vejam abaixo a preocupação com o uso consciente de matéria prima e o pedido para o melhor endereçamento de papéis:

20131204-152744.jpg

*Divulgação autorizada pelo proprietário.
**Livre tradução.


Espresso Book Machine

Existe um aplicativo bacanérrimo para tablets chamado 53. Uma das opções é a impressão dos seus rascunhos, artes, anotações como um Moleskine.

Esta possibilidade de ter suas criações feitas no formato e qualidade que todos nós amamos é um sonho (e um nicho de mercado que nunca entendi porque não havia sido explorado em larga escala até então), e me lembrei desta máquina, sobre a qual li no Pequenas Empregos, Grandes Negócios há pouco mais de um ano:

20131121-144635.jpg

“A empresa americana On Demand Books criou uma nova forma para consumidores comprarem livros. A Espresso Book Machine é uma impressora que produz livros sob demanda, na hora.

A máquina já está disponível em mais de 70 bibliotecas e livrarias em diversos países (mas não no Brasil) e produz cópias de obras de um sistema on-line com mais de 8 milhões de títulos. Assim que o usuário escolhe a obra, os royalties são transferidos para o autor do livro.

A empresa espera com essa impressora estimular também a divulgação de novos autores e suas obras. Confira um vídeo que mostra todo o processo de produção da máquina (em inglês): ”

E


Vida de San Ignacio

Uma das coisas bacanas que acompanha a restauração de livros são os proprietários contando porque aquele volume é importante.

20131121-081459.jpg

Este livro está relacionado a uma peregrinação de centenas de km a pé até Santiago de Compostela, na Espanha.
Conseguem imaginar a experiência sendo descrita por um executivo de alta performance durante um café, anos depois? Foi gratificante.

20131121-082507.jpg

Pois bem, limpei e higienizei o livro.
Tingi o papel japonês (maleável e resistente, utilizado na restauração de papel danificado) para minimizar o efeito da restauração, refiz as brochuras, costurei o livro e prensei:

20131121-084543.jpg

A capa estava parcialmente conservada, mas não era possível utilizá-la sem uma base. Eu precisava de algo para mantê-la una, firme e protegendo o livro.
A escolha foi percalux azul marinho sobre papel acartonado, sem arredondar a lombada, mantendo o formato original do livro.

20131121-085641.jpg

20131121-085843.jpg


%d blogueiros gostam disto: